Bem vindo!

Bem vindo ao Bar do Rafa! Este é o balcão onde se servem as melhores bebidas, todas elas com um leve sabor de literatura. Meu nome é Rafael Marchesin e eu sou o seu barman hoje. O que deseja? É só pedir que eu lhe sirvo.

Aproveite para provar estes aperitivos, acabaram de sair do forno.

“Sonhos FM” é ótimo para acompanhar uma cervejinha e os melhores sommeliers dizem que “Poesuras” cai muito bem com uma deliciosa taça de vinho.

   

Resultado do 2º Desafio Literário Contadores de Histórias no Recanto das Letras

Enfim chegou o dia 19 de julho e foi liberado o resultado do 2º Desafio Literário Contadores de Histórias no Recanto das Letras. Como já disse no post em que apresentei o desafio (clique aqui para acessar o post), os textos publicados no desafio ficariam anônimos até a finalização da votação e isso, para mim, foi algo muito interessante, já que pude receber comentários sem que as pessoas soubessem que o texto era meu. Sabe quando conhecemos a pessoa e ela só tece elogios sobre nossos textos? Isso não aconteceu, pois ninguém sabia qual era o meu conto, desse modo, os comentários foram sinceros.

Algo que me chamou muito a atenção, também, foi a quantidade de comentários que meu texto recebeu, onze, no total, algo que eu ainda não tinha experienciado no Recanto das Letras, ou seja, pude ter certeza de ser lido. Meu conto, também, para minha surpresa, recebeu mais de cem visualizações de página em apenas sete dias.

Foi uma ótima experiência participar do desafio. Nessa primeira edição, meu conto ficou na décima posição, lá no finalzinho, mas não vejo isso como algo ruim, já que recebi uma ótima aula nos comentários. A seguir é possível conferir a colocação de cada texto no desafio:

1º Lugar — Verde como o céuIago Algodão

2º Lugar — O poder dos astrosTT Albuquerque

3º Lugar — HenriqueMaria Santino

4º Lugar — Síndrome Dissociativa AdquiridaAshur

5º Lugar — Eu, eu mesmo e todos os outrosRSollberg

6º Lugar — VisceralEdivana

7º Lugar — ReclusãoJ.C. Lemos

8º Lugar — O menino e os monstrosLuiz Cláudio Santos

9º Lugar — O colecionadorMiliany Pellegrini

10º Lugar — Uma porta entreabertaRafael Marchesin

11º Lugar — Cuco de madeiraArcanum

12º Lugar — DicotomiaMr. Belzebu

 

É possível conhecer cada um dos contos clicando nos títulos, também é possível acessar as escrivaninhas de cada autor no Recanto das Letras clicando em seus respectivos nomes.

Para acessar a página do Desafio no Facebook, basta acessar o seguinte link: https://www.facebook.com/contadoresdehistoriasrdl

2º Desafio Literário Contadores de Histórias no Recanto das Letras

Mês passado eu estava surfando pelo site Recanto das Letras (http://www.recantodasletras.com.br/), do qual fiz citação no post “Você é escritor e quer publicar seu texto ou livro?”, e descobri algo muito interessante para incentivar os escritores que publicam no site, o Desafio Literário Contadores de Histórias.

O desafio foi criado por um grupo de autores chamado Contadores de Histórias (você pode acessar a página do grupo no Recanto das Letras: http://www.recantodasletras.com.br/autor.php?id=158154; e também no Facebook: https://www.facebook.com/contadoresdehistoriasrdl). O desafio consiste em escrever e enviar para o grupo um texto desenvolvido com base num tema pré-estabelecido. O trabalho escrito é publicado no site Recanto das Letras de forma anônima, na sequência, uma votação é realizada e são definidos os melhores textos do desafio. Somente ao final da votação é que os nomes dos autores são revelados.

O que mais gostei nesse desafio é o fato de que os textos recebem muitas leituras e comentários. Ultimamente, tenho pouco retorno por parte de leitores, sinto que poucos olham para os meus textos e o número é ainda menor quando falamos de retorno por meio de comentários. Pode ser que o desafio não entregue um prêmio específico ao primeiro colocado, porém, possibilitar que o texto seja lido e receba críticas vale tanto quanto qualquer premiação.

Pensando nessas vantagens, não perdi tempo para escrever um conto e me inscrevei no desafio. Essa edição da qual participo é a segunda e teve dois temas para que os autores desenvolvessem suas histórias, o primeiro é SteamPumk e o segundo Dupla Personalidade.

O prazo de inscrição dos textos acabou ontem (12 de julho) e hoje se iniciou o processo de votação, o resultado será liberado no dia 25 deste mês. Essa segunda edição do desafio contou com a participação de 12 contos e todos eles já receberam vários acessos e críticas incrivelmente construtivas.

Abaixo, listei links que levam para as páginas em que os contos estão alojados. Um desses contos é o meu e, claro, você só saberá qual após o dia 25, quando os nomes dos autores forem revelados!

1. Cuco de Madeira

2. Visceral

3. Dicotomia

4. O menino e os monstros

5. Reclusão

6. O Poder dos Astros

7. Verde como o céu

8. Henrique

9. Uma porta entreaberta

10. Síndrome Dissociativa Adquirida

11. Eu, eu mesmo e os outros

12. O colecionador

Conto “Sala Mortuária” publicado na Amazon.com.br

Sábado passado a Amazon aceitou para publicação meu conto Sala Mortuária. É um conto rápido, com apenas vinte páginas e que integra a coleção de contos Sombras Noturnas. É uma publicação independente, sem respaldo de profissionais de editoração, eu mesmo fiquei responsável pela execução da revisão, da criação da capa, da formatação do texto, entre outros detalhes da publicação, trabalho em dobro. Mas acredito que tenha valido a pena, pois pude levar o meu material para novos leitores, possibilitei que novas pessoas conhecessem minha escrita e, também, contribuíssem com comentários construtivos.

A Amazon delimita um preço para venda do ebook e o autor ou responsável pela obra pode receber até 70% do preço total, no meu caso escolhi receber apenas 35% e o preço final acabou ficando apenas R$1,99, menos do que eu pago para imprimir o conto em papel tamanho A4.

Até domingo, a história ficou desaparecida entre as milhares de publicações oferecidas para venda dentro do site da Amazon, era como se nem existisse dentro da loja virtual da Amazon, porém, segunda-feira, permiti que meu conto entrasse numa promoção em que ele seria distribuído gratuitamente para os leitores Kindle. A partir de então obtive resultados surpreendentes, o conto foi baixado por dezenas de pessoas e, já no primeiro dia, adentrou a lista dos 100 ebooks mais baixados gratuitamente no site da Amazon. Ainda mais surpreendente foi quando o conto alcançou a décima posição entre os mais baixados, o que me deixou muito contente, isso porque meu desejo, no início era apenas alcançar a lista.

Hoje é o último dia de gratuidade e amanhã o conto voltará a custar R$1,99. Depois desses cinco dias, o conto ainda figura entre os 100 mais baixados e isso me deu plena certeza de continuar a escrever e publicar conteúdo para a coleção Sombras Noturnas.

Caso queira conhecer o conto, ele está a venda na seguinte página da Amazon: http://bit.ly/1go6zoH

Veja abaixo a capa que fiz para esse primeiro conto:

Capa do conto Sala Mortuária disponível a venda no site Amazon.com.br

Capa do conto Sala Mortuária disponível para venda no site Amazon.com.br

E os planos?

Quando se começa a fazer muitos planos, é provável que, por fim, grande parte deles não sejam realizados. Pelo visto este blog é uma grande prova disso: muitos planos, muitos objetivos, alguns iniciados, mas nunca concretizados devidamente.

Se hoje eu simplesmente falasse que voltarei a publicar textos ou fotografias com uma determinada sazonalidade, você acreditaria? Provavelmente não, isso porque nem mesmo eu seria capaz de acreditar nisso. Por isso não faço mais planos. Talvez seja até interessante tirá-los de uma vez por todas da própria vida, não? Se planos não são concretizados nem mesmo num blog, imagina na vida pessoal!

Bem, sem planos, então, deixo mais um post aqui no blog! Feliz, claro.

Dia dos namorados é coisa do sistema

Toda vez que chega o dia dos namorados, sempre tem alguém que fala: “Não entro nessa de comércio não, dia dos namorados é só pra vender mais!”. Acho que até pode ser, mas conheci um cara que se deu mal por causa desse pensamento:

‑ Que isso, dia dos namorados, dia das mães e dos pais, Natal, ano Novo, Sete de Setembro, isso tudo é só pro sistema ganhar dinheiro, não caio nessa não! – disse esse meu conhecido aos amigos numa mesa de bar entre um e outro gole de cerveja.

‑ É isso aí – concordaram alguns batendo seus copos com um pouco de força na mesa. Alguns já meio embriagados erraram na força e derramaram um pouco da bebida também.

– Sabe o que eu vou fazer? – continuou esse meu conhecido. – Vou é não dar presente pra Júlia esse ano! Não quero nem saber! Ela me ama e não liga pra essas coisas, nosso namoro é muito mais do que um mero material!

Ao terminar a frase, alguns vivas ressoaram na mesa e um sorriso torto acendeu em seu rosto realçado pelas bochechas coradas por causa álcool.

– Eu discordo… já comp…

– Você é só mais um arrebanhado pelo sistema, seu salafrário! – gritou esse meu conhecido brandindo um dedo no que achava ser o rosto do seu interlocutor. O outro ficou quieto e continuou a bebedeira enraivecido.

Mais tarde, encontrou a namorada com uma feição tão bonitinha igual quando uma criança sabe que você tem um presentinho pra ela. Foi igualzinho. Mas o meu conhecido não arredou pé, iniciou o discurso que outrora fizera aos colegas de bebedeira…

Enfim, já que hoje é o dia depois do dia dos namorados, só tenho a dizer que ele se deu mal e hoje já nem pode mais ser chamado de namorado. A Júlia já está em outra… está com um cara que valoriza ela muito mais. Vai, seu discursista de meia tigela, quer lutar contra esse tal de sistema! É isso que dá, haha.

Memória de pai

Jorge desceu despretensiosamente os degraus do hall de entrada do prédio em que trabalhava. Ao passar pela portaria, pegou, como sempre, um exemplar do jornal diário que ficava a disposição dos funcionários. Olhou para o relógio, ainda era cedo, ler uma ou duas notícias não custaria nada. Sentou numa grande poltrona de espera e começou a folhear as páginas do jornal. “O que será que há de interessante?” Guerras e guerras, mortes e mortes… já estava farto de tudo isso. Quando ia fechar o jornal e voltar para sua rotineira vida, seus olhos sem querer leram uma manchete que lhe chamou a atenção mais por ser curiosa do que por qualquer outra coisa. No topo da página estava escrito: “Ministro inglês esqueceu filha em pub”. Não tardou a lê-la. O texto falava sobre a irresponsabilidade do chefe de estado inglês ao deixar a filha só em um pub no qual almoçou com a família. Jorge achou um baita absurdo aquilo.

Não tardou a devolver o jornal e saiu para a rua. Enquanto dirigia para casa pensava afoito: “Como pode um pai esquecer a própria filha, ainda mais tão pequena?!”. Ele estava impressionado. Quando menos esperava, o questionamento retornava à sua mente. “Que exemplo esse primeiro-ministro dá ao seu país?”, repetiu no mínimo umas três vezes em voz alta.

Vinte minutos mais tarde e já estava no elevador do prédio onde morava. Abriu a porta do apartamento e encontrou a esposa em pé esperando-lhe perto da mesa do almoço.

– Querida, você não imagina o que eu li hoje no jornal – disse ele, mas parou ao ver um estranho semblante em sua esposa. – O que aconteceu, Márcia?

– Eu que te pergunto! – disse ela num tom exaltado. – O que houve com você que não buscou a Raíssa na escola hoje? A diretora me ligou preocupadíssima e você me não atende esse bendito celular!

“Opa”, foi a reação de Jorge.

Minutos depois, ele estava novamente em casa com a pequena filha nos braços, o rostinho dela estava vermelhinho de tanto choro.

Enquanto almoçavam, Márcia lhe perguntou:

– Então, Jorge, o que você queria tanto me contar?

Ele pensou um pouco…

– Nada, querida… não era nada.